XaD CAMOMILA

15 de outubro de 2010

A elite vive um surto de demofobia

"Sabemos que existe em S. Paulo uma corrente separatista que prefere a ocupação estrangeira à evolução do Brasil (…). Oswald de Andrade e Pagu – O Homem do Povo, n° 1, março 1931

Serra comandando as privatizações no governo FHC

As empresas de versões de notícias do  eixo Rio-SP e seus repetidores, atualmente conhecidos como PIG, atuam como se vivêssemos em uma ditadura ou na Inquisição.

As manchetes dos veículos de comunicação pertencentes às famí(g)lias frias, marinho, civita e mesquita ora se assemelham aos textos contidos nos temidos Atos Institucionais da ditadura militar, ora parecem com os processos liderados por Torquemada, o mais temido inquisidor do Santo Ofício.

Ainda que o candidato José Serra, pautado pela imprensa golpista, venha assumindo um caráter de grande inquisidor e perseguidor de demônios, não é isso que está em jogo; é a democracia que está ameaçada.

Há vários indícios de que uma possível vitória da coligação demotucana significaria o fim da liberdade de expressão, a perseguição de jornalistas, intelectuais, blogueiros, artistas e de lideranças do movimento popular.

Engana-nos o mal com aparências de bem – Pe. António Vieira

A demissão da articulista Maria Rita Kehl pelo Estadão, por criticar o preconceito da elite contra as classes D e E; a demissão do jornalista Heródoto Barbeiro pela tv Cultura, depois de questionar Serra sobre os pedágios; a censura do blog Falha de São Paulo pelo jornal Folha de São Paulo; a indisfarçada parcialidade do jornalismo da Globo; a censura das pesquisas eleitorais e do Blog do Esmael, pelo governador eleito no Paraná, o tucano Beto Richa são alguns dos vários os exemplos de atentados contra a liberdade de expressão e de opinião. Ao mesmo tempo, atribuem ao governo Lula o que eles praticam.

Demofobia

Um surto de demofobia, medo da democracia, é o momento pela qual passa a elite do país. Uma elite que prefere se ajoelhar ao poderio estrangeiro a ter que dividir o poder político e as riquezas com o povo brasileiro.

A comparação entre os 8 anos de privataria de FHC/Serra/neoliberais e os 8 anos de soberania nacional de Lula/Dilma/povo é que devem pautar o segundo turno. Seguir a agenda teocrática proposta pelo neo-inquisidor Serra e os fundamentalistas do golpismo da Folha, Estadão, Veja, Globo é entrar em uma guerra cuja a primeira vítima será o debate político e depois o desenvolvimento soberano do Brasil.

Para que Serra fique bem longe da possibilidade de ser presidente há necessidade de confrontá-lo com suas promessas não cumpridas quando prefeito e governador. A responsabilidade sobre as enchentes, o sucateamento do metrô, a privatização da saúde paulista, a possibilidade de diminuição de vagas na USP, a precariedade da educação, a desorganização da segurança e, principalmente, sua falta de diálogo com a sociedade.

Duas cenas não podem ser esquecidas para nos lembrar da política destrutiva dos tucanos: a ocupação das refinarias por tanques do exército e a venda (doação) da Vale do Rio Doce.

Repressão e privataria, são esses os legados de FHC/Serra. É nas ruas, nas escolas, universidades, fábricas que precisamos divulgá-lo para lançar luzes à ao obscurantismo propagado pelo jornalismo canalha e pela direita fundamentalista representado pelos demotucanos.

A internet é um poderoso instrumento nesse momento, o contato pessoal ainda é a melhor maneira de convencimento.

Odair Rodrigues [blog Pragmatismo Político

Estante do XAD

Blogs @migos

Blogs sujos & malvados