XaD CAMOMILA

20 de junho de 2013

Fascistas, Fascistas! Não passarão!!!

Acabo de voltar da passeata na Av. Paulista, convocada pela direção nacional do PT. Éramos não mais de 200 militantes.

Quando cheguei à concentração, na Av. Angélica, vi que talvez não conseguíssemos caminhar nem 100 metros... O ódio dos que estavam na Paulista e que ocupam as ruas há dias era total. Mas esse ódio não era direcionado apenas ao PT. Era contra qualquer bandeira, qualquer movimento social organizado. A CUT estava presente. O Movimento Passe Livre. E a UNE também.

Durante a passeata, várias bandeiras foram atacadas, rasgadas e queimadas sob gritos de "Fora PT, vai tomar no cu!", "o povo acordou", "oportunistas" e, last but not least, "mensaleiros"!!!

Desde o início, foi necessário formar um cordão humano para "proteger" o final da passeata. Às vezes, formava-se um cordão também na lateral.

Os ataques acompanharam toda a passeata. Fomos vaiados na maior parte do tempo (por milhares, milhares de manifestantes). O silêncio só veio quando cantamos um trecho do hino nacional. Também gritávamos: "Sem violência", "Democracia", "Vem pra rua, vem contra a tarifa", "olha que loucura, contra partido, parece ditadura" e "R$ 3 não dá, contra a tarifa, é passe livre já".

Durante o trajeto, tentaram invadir a passeata, ameaçaram, provocaram, partindo para a agressão, xingando o tempo todo. Foi tenso. Deu um medo danado.

Um dos gritos que se expandia com muita facilidade, espalhando-se pela Paulista, era: "O povo unido não precisa de partido". Enquanto gritavam, as pessoas, que ocupavam as laterais da avenida, colocavam os braços para cima, em gesto típico do nazismo/fascismo.

Seguimos até o Masp. Não sei nem dizer como conseguimos. Nessa hora, os gritos de "abaixa a bandeira" tornaram-se cada vez mais fortes. E os ataques também. Chutes e ameaças, de um grupo de "carecas" e fortões, que seguiu a passeata durante todo o trajeto, tornavam a cena totalmente assustadora.

Na altura da estação Trianon-Masp fomos cercados. A passeata tornou-se, praticamente, um cordão humano, de um lado e de outro. Começaram a jogar rojões em cima da gente e bolas de papel com fogo.

Nessa hora, correram avisos para que a gente guardasse as bandeiras. Eu, por exemplo, estava empunhando uma bandeira da União Estadual dos Estudantes de São Paulo (acho que era isso) e desfilei o tempo todo enrolada numa bandeira do PT. Alguém pegou a bandeira da UEE e outro me avisou para tirar a bandeira do PT e guardar na mochila (para evitar linchamento e coisas do tipo, caso a passeata se dispersasse).

Para vocês terem uma ideia, eu estava compondo o segundo cordão no fim da passeata. Não foi nada fácil.

Nesse momento surgiu o grito: "Fascistas, Fascistas, Não Passarão!!".

O grito foi entoado em uníssono, com muita força. Embora o momento não fosse propício, cheguei a rir quando uma moça, que estava atrás de mim, soltou: "gente, não adianta gritar isso, eles não sabem o que é, vão achar que é só provocação e, ao que parece, somos minoria!!".

E éramos. Depois de alguns minutos, abaixamos as bandeiras, a passeata foi invadida. Dispersamos.
Voltei para casa, com a bandeira na mochila, pensando. Pensando muito. Lembrei do Allende.  


4 comentários :

lulu viera disse...

Dei uma boa volta pela passeata que estava nas pontes que ligam a ilha de Florianópolis ao continente. Em alguns momentos vi os gritos de "sem partido" da maioria contra alguns grupos que carregavam bandeiras partidárias mas apenas como crítica; nada que sugerisse violência. Em floripa o pessoal e mais "de boa". Por outro lado nesses momentos que eu presenciei as bandeiras não eram do PT, ou seja, dos "culpados" pela construção dos estádios e etc. O que eu gostei mesmo foram dos cartazes: um deles tinha um ícone para clicar escrito "formatar o Brasil". Acho que na linguagem da informática o que está sendo sugerida é a nova constituição de 2013... pessoal criativo.

XAD disse...

Aqui em SP foi horrível. Assustador mesmo.

Anônimo disse...

Porquê vocês tem mania de achar que todo mundo que não participa de um movimento de esquerda é automaticamente fascista/nazista?

Algumas pessoas só querem o fim da corrupção, trazendo assim melhorias à infraestrutura do país e à qualidade de vida, consequentemente.

E porquê ainda vocês acham certo levar bandeiras de seus partidos à um movimento público e apartidário?

"Ah, mas não foi essa a intenção do MPL". Não importa, o que importa é que ele, de fato, é um movimento apartidário e se os militantes não gostam, que façam outro só para eles.

XAD disse...

Anônimo, talvez vc comece a entender o significado do que aconteceu lendo o texto – “Não há um “movimento” em disputa, mas uma multidão sequestrada por fascistas”.

Seguem uns trechos: “Uma multidão sem representantes, cuja direção (rumo) parece ter sido sequestrada por grupos de extrema-direita e passa a atacar instituições públicas, partidos políticos e manifestantes de esquerda, não só não me representa como passa a ser algo a ser combatido politicamente. (...) Uma democracia, entre outras coisas, significa existência de partidos, de representantes eleitos pelo voto popular, do debate político como espaço de articulação e mediação das demandas da sociedade, do direito de livre expressão, de livre manifestação, de ir e vir. Na noite de quinta-feira, todos esses traços constitutivos da democracia foram ameaçados e atacados, de diversas formas, em várias cidades do país.”

O texto completo está em: http://www.cartamaior.com.br/templates/colunaMostrar.cfm?coluna_id=6155

Estante do XAD

Blogs @migos

Blogs sujos & malvados