XaD CAMOMILA

9 de janeiro de 2012

Marco Aurélio Mello no Roda Viva

Hoje, às 22hMarco Aurélio Mello, ministro do Supremo Tribunal Federal, vai estar no centro do Roda Viva. Recentemente - "no apagar das luzes do ano judiciário" - Mello decidiu, por meio de liminar, suspender a atuação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) nos processos administrativos contra magistrados, determinando que o órgão só deve agir após as corregedorias locais. Para acompanhar o programa on line, mandando aquelas "perguntinhas básicas" para ele, acesse o site da TV Cultura (aqui). 

"Não havia urgência que justificasse a concessão de liminar. O ministro Marco Aurélio — no apagar das luzes do ano judiciário — suspendeu as atividades do CNJ, e fez prevalecer a sua canhestra tese quanto à atuação subalterna desse órgão. Um órgão que já sancionou mais de uma dezena de magistrados por desvio de conduta: dentre eles, o ministro Paulo Medina, ex- presidente da AMB, aposentado compulsoriamente do Superior Tribunal de Justiça (STJ) por vender liminares. Diz a Constituição: “Compete ao CNJ conhecer das reclamações contra membros ou órgãos judiciários”. Para Marco Aurélio, e várias associações classistas, cabe a apuração pelo CNJ, mas só depois das corregedorias estaduais e federais. E o CNJ, como todos sabem, só foi criado em razão de as corregedorias não atuarem, em especial com relação aos desembargadores de seus tribunais. Importante frisar, o corregedor é eleito pelos desembargadores." (Wálter Fanganiello Maierovitch)

FALCÃO EXPLICA O GOLPE DO MELLO
Contrário à criação do CNJ, ministro retoma luta contra o órgão

"A liminar do ministro Marco Aurélio Mello é uma multiliminar. Manda que as sessões do CNJ que julgam juízes sejam públicas. Hoje, não são. Diz que o CNJ tem competência apenas subsidiária. Hoje, tem mais.

Tem competência originária também. Os tribunais não têm mais prazo para julgar seus magistrados. Tinha o prazo máximo de 140 dias. Agora não mais. E por aí vai.

A multiliminar é quase um tsunami Judiciário. Além de argumentos jurídicos, cinco fatores ajudam a explicá-la.

Primeiro, quando, em 2005, o voto de Cezar Peluso viabilizou o CNJ, declarando sua constitucionalidade, ele foi acompanhado por quase todos os ministros. O único contra foi Marco Aurélio.

Seis anos depois, o ministro volta à luta na mesma direção. Como não pode desconstitucionalizar e acabar com o CNJ, oferece agora ao país um pessoal e limitador entendimento do conselho.

Segundo, no dia em que o processo estava naturalmente em pauta o ministro preferiu não votar. Afirmou que, diante da reação social e política a favor do CNJ, não havia clima para tanto. Agora, concede a liminar no último dia do ano Judiciário.

A consequência é clara. O STF não tem mais tempo para reavaliar. Enquanto o país espera, a liminar prevalece. O ministro claramente se utilizou do tempo processual.

A liminar é legal. Resta saber se intervir no timing político do processo a favor de sua tese é democrático. Sempre lembrando que, como diz Carlos Drummond de Andrade, o último dia do ano, não é o último dia da vida.

Terceiro, existe uma sintonia entre sua decisão em favor das sessões públicas e sua decisão pessoal, como presidente que foi do Supremo, de transmitir as sessões da corte pela TV Justiça.

Quarto, analisadas todas as ações de inconstitucionalidades do STF desde sua posse, Marco Aurélio é o que tem o maior número de votos vencidos: 73%. Em seguida, vem Ayres Brito com 28%. O seu credo jurídico é estaticamente ponto fora da curva.

Finalmente, o CNJ já teve de enfrentar 32 ações diretas de inconstitucionalidade, isto é, tentativas contrárias a sua atividade. Dessas, 20 foram propostas por associações de magistrados.

Isso revela uma estratégia de guerrilha processual permanente contra o CNJ. Até hoje, o STF não decidiu em definitivo nenhuma ação contra este CNJ tal como criado pelo Congresso. Até agora tudo tem ficado em suspenso, em liminares. Assim será outra vez?" (Joaquim Falcão).

3 comentários :

REGINALDO GRESTA disse...

quando juízes reclamaram de falta de segurança, o min Marco Aurélio, esquecendo que nunca exderceu magistraturav em instancias inferiores pois entrou do quinto da OAB DIRETO PARA OS TRIBUNAIS DISSE QUE EM TRINTA ANOS DE MAGISTRATURA NUNCA SE SENTIU AMEAÇADO E AGORA sR. mINISTRO OQUE VAI DIZRER SOBRE A O ASSASSINATO DA jUÍZA cRIMINAL NO rIO DE jANEIRO?

Sonia Amorim/Abra a Boca, Cidadão! disse...

Boa, Ivana! Estivemos lá, mandando bala no ministro e a favor do CNJ e da Grande Mulher da Justiça! Temos que ocupar todos os espaços! Abraços e parabéns pela participação!

Xad Camomila disse...

Gente, só digo uma coisa: é bem difícil entender esse ministro. Se a liminar que suspendeu a atuação do CNJ não foi revanchismo da parte dele, então, não sei o que foi. O ressentimento dele é explícito.
Além das ameaças feitas a Eliana Calmon, tipo, "é bom ela se lembrar que o chicote muda de mão", ele ficou visivelmente irritado (e vermelho!)em diversos momentos durante a entrevista. Isso porque não enviaram as perguntas dos internautas pra ele. O debate no chat foi, digamos... muito mais ousado! Mas é isso ai. Vamo que vamo! Em defesa do CNJ e da ministra Eliana Calmon. Tamo junto!

Estante do XAD

Blogs @migos

Blogs sujos & malvados